01032017luis-hotel-de-france

Quando a verdade é considerada mentira

Num desses encontros ele encontrou uma jovem de 25 anos, bem fogosa, que também se encantou com ele

Luís Alberto Alves

Jarbas era casado com Alfredina há 50 anos. Começaram a namorar no dia em que o Brasil perdeu a Copa do Mundo no Maracanã, diante da aguerrida seleção do Uruguai. Foi amor à primeira vista e logo se apaixonaram.

No meio século de matrimônio tiveram três filhos. Com o passar do tempo cresceram, casaram e saíram de casa quando  ambos chegaram aos 30 anos de divisão de pasta de dente. A partir daí tem início o martírio de Jarbas.

Publicitário. Pegou a época de ouro da propaganda no Brasil. Na criação era craque. Sabia tirar da imaginação as frases que tornariam bem conhecido o produto do cliente. Porém, mesmo ganhando bem, jamais ousou trocar sua querida Pompeia vizinha das Perdizes, Zona Oeste de SP.

Precisava chegar em casa às 21h em ponto. Do contrário, Alfredina abria a boca: “sem vergonha, estava com vagabunda de ponta de rua”. Não adiantava questionar. Tomava banho, jantava, vestia o pijama e pegava o rumo da cama para o sono sagrado.

Em 20 anos foi o que mais ouviu todas as noites. Calmo, nunca retrucava. Deixava a esposa falar, para perguntar depois como foi o dia. Se abraçavam, fazia carinho um no outro e cama. Alto e forte, Jarbas não negava fogo na hora do amor.

Quando chegou o ano 2000. Não perdia festa, mesmo enfrentando as broncas da esposa. Num desses encontros ele encontrou uma jovem de 25 anos, bem fogosa, que também se encantou com ele. Saíram do barzinho na Vila Madalena para o ninho de amor num hotel próximo.

Naquela noite, Jarbas chegou em casa às 2h da madrugada. Inebriado, não tirava da cabeça a imagem daquela mulher, com rostinho e voz de menina, sussurrando no seu ouvido, que gostava de homens com mais de 60 anos. Ele não negou fogo e correspondeu à fogosidade.

Alfredina não estava dormindo. Sentada no sofá da sala, logo abriu a boca repetindo a velha frase que Jarbas mais ouviu nos últimos 20 anos. Ele olhou e respondeu pausadamente: “Sim meu amor, estive com uma vagabunda de ponta de rua que me deixou andando nas nuvens”. “Mentiroso. Nem para isto você serve”, retrucou sua esposa e foi dormir. Existem mulheres que não aceitam a verdade.

Deixe uma resposta